Atualidade

03 maio 2021

A Comissão Europeia (CE) concedeu autorização de comercialização condicional para dostarlimab, um anticorpo bloqueador do recetor de morte programado (PD-1), para uso em mulheres com deficiência de reparo de incompatibilidade (dMMR) / cancro do endométrio avançado ou recorrente com instabilidade de microssatélites alta (MSI-H) que progrediram durante ou após o tratamento anterior com um regime contendo platina. A aprovação torna dostarlimab a primeira terapêutica anti-PD-1 disponível para o cancro do endométrio na Europa.

27 Abr. 2021

O investigador Nuno Bastos, do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S), foi destacado pela Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) com uma bolsa para estudar uma possível terapia contra o cancro do pâncreas. A bolsa dá oportunidade ao investigador de realizar um estágio de seis meses no MD Anderson Cancer Center, no Texas (EUA).

20 Abr. 2021

A MSD anuncia que a Comissão Europeia (CE) aprovou a expansão da indicação para pembrolizumab, a terapêutica anti-PD-1 da MSD em monoterapia para o tratamento de doentes adultos e pediátricos com idade igual ou superior a três anos, com linfoma de Hodgkin clássico (LHc) recidivado ou refratário, cujo transplante autólogo de células estaminais (TACE) não foi bem-sucedido, ou que tenham feito, pelo menos, duas terapêuticas anteriores quando o TACE não é uma opção de tratamento.

20 Abr. 2021

A GlaxoSmithKline (GSK) anunciou que o Comité de Medicamentos para Uso Humano (CHMP), da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), emitiu um parecer positivo para o uso de dostarlimab. Este anticorpo monoclonal anti-programmed death-1 (PD-1) está indicado como monoterapia em mulheres com deficiência de reparação de emparelhamento do DNA (dMMR)/instabilidade alta de microssatélites (MSI-H) recorrente ou cancro do endométrio avançado, progressivo durante ou após o tratamento anterior com regime de platina. O parecer do CHMP é uma das etapas finais da autorização de introdução no mercado, procedimento prévio à aprovação pela Comissão Europeia (CE).

19 Abr. 2021

“Nem todos os inibidores CDK4/6 são iguais”, foi o título do simpósio satélite promovido pela Lilly, no evento Perspetivas em Oncologia, que incluiu duas palestras. A primeira dedicou-se a analisar as sobrevivências livres de progressão e as sobrevivências globais alcançadas pelos diferentes inibidores CDK4/6 no tratamento de doentes com cancro da mama HR+/HER2-, quer sensíveis, como resistentes às terapêuticas endócrinas. A segunda, debruçou-se sobre o perfil de segurança do abemaciclib e na gestão das suas toxicidades.

16 Abr. 2021

O olaparib, atualmente, está autorizado pela União Europeia para o tratamento de diversos tipos de cancro e como terapêutica de manutenção em 1.ª linha ou como terapêutica após progressão ou recidiva a tratamento(s) anterior(es). Nesta webletter especial, a My Oncologia entrevistou quatro médicos oncologistas, cada um tendo como área de interesse um tipo de neoplasia para o qual o olaparib está aprovado, para compreender melhor o potencial do fármaco no tratamento de cada patologia específica. Esta edição especial sumariza aqui os tipos de cancros que podem ser tratados, até à data, com o olaparib e explica o seu mecanismo de ação.

09 Abr. 2021

A 17.ª edição da conferência St. Gallen International Breast Cancer contou com uma sessão dedicada aos novos desafios e oportunidades no tratamento do cancro da mama, analisando os mesmo na terapêutica sistémica em cancro da mama precoce e às mudanças verificadas na abordagem cirúrgica. A sessão, que decorreu a 16 de março, teve como oradores convidados o Prof. Doutor Harold Burstein, do Dana-Farber Cancer Institute, e o Prof. Doutor Michael Gnant, da Medical University of Vienna.

09 Abr. 2021

Da sessão oito da conferência St. Gallen International, o tratamento das sobreviventes do cancro da mama, destacamos aqui duas das palestras. Uma sobre estilo de vida e saúde sexual, pela Prof.ª Doutora Inês Vaz Luís. Enquanto a Dr.ª Olivia procurou responder à questão: “Preservação da fertilidade em doentes jovens com cancro da mama – o que fazer?”.

09 Abr. 2021

 “Next-generation antibody-drugs conjugates (ADCs): New hope for HER2” foi o título do simpósio promovido Daiichi Sankyo e AstraZeneca, que decorreu integrado na 17.ª edição da conferência St. Gallen International Breast Cancer. A sessão reuniu os especialistas Prof. Doutor Matthias Peipp, da Universidade Christian-Albrechts, a Drª. Sibylle Loibl, do grupo German Brest, e a Dr.ª Fátima Cardoso, da Fundação Champalimaud.

06 Abr. 2021

Um estudo feito em Portugal sobre o impacto do cancro da mama em mulheres muito jovens, e publicado pela Sociedade Europeia de Oncologia Médica (SEOM), vem confirmar que é mais agressivo e o tumor maligno de maior incidência na mulher jovem sendo diagnosticado tardiamente.

Newsletter

Agenda

Agenda News Farma

PUB

 

 

 

 

 

Apoio

AstrazenecaBayerBMSGSKLillyMerck

 

MSDPfizerRocheTecnimedeViatris

 

Aliança Merck | Pfizer